sexta-feira, 1 de junho de 2007

cor de bronze, negro é o sangue - 2

É possível para a sociedade branca, das metrópoles brasileiras, fingir que não tem nada haver com a secular escravidão promovida nas terras do pau brasil ?

Será que a crueldade e a arrogancia, a exploração e a humilhação, promovida nessas terras não tenham herdeiros ?

Não basta esconder esses fatos por traz de uma fachada cosmopolita, de uma cultura liberal, de uma formação publica, republicana, não discricionária. A questão é que o fato existe.

2 comentários:

Maisa disse...

É só da Raquel nesses poemas....
mas enfim, está tm bonito, pq não tenho mais idade pra ter crise de ciumes...
kkkkkkkkkkkk

Parabens!

Caim disse...

É possíbel. Assim como é possível não ver que a mesma vista grossa a isto leva a idiocracia que cada vez mais somos levados.
E pior é pensar que a idiocracia é levada por esta vista grossa....
TM