terça-feira, 22 de maio de 2007

A dor


Essa dor corta minha carne.
Um raio rasga por dentro de mim
Como a execução romana.
A adaga corta meu corpo.

Estou zonzo.
Meu corpo não sorri, apenas treme.
Envolvido na sua fragilidade.
está sem rumo, perdido.

Parece desvanecer.
Sacudido pela dor latente.
Explode um estertor, contorcendo-me em tremores.
O desfalecimento surge, como um âmbar, um nectar à beber.
Na nevoa da inconsciecia, as sombras e siluetas são o horizonte

Um comentário:

Madalena disse...

como a execução romana... lenta .. bem lenta... em camera lenta.... como se tivesse sentindo a adaga...

essa dor...

espero nunca sentir.... posso ter sentido piores... mas essa nao quero mesmo... cheguei a ter medo!!!!